DECLARAÇÃO DE FÉ 

O vocabulário humano empregado nessa Declaração de Fé não é inspirado, nem assunto para discussão. Não consideramos que ela contenha todas as verdades da Bíblia, mas que engloba as verdades que essa instituição considera fundamentais.

A BÍBLIA: É a Palavra de Deus em linguagem humana, inspiração verbal Sagrada imutável, a única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão, (II Tm 3:14-17; II Pd 1:20-21; I Pd 1:25; Jo 17:17)

DEUS PAI: É único Deus vivo e verdadeiro é espírito pessoal, eterno, infinito e imutável; é o onipotente, onisciente e onipresente; é perfeito em santidade, justiça, verdade e amor. Em sua triunidade, o eterno Deus se revela como Pai, Filho e Espírito Santo, sendo três pessoas distintas mas sem divisão em sua essência. (Gn 1:1; Gn 1:26; Dt 6:4; I Jo 5:7).

JESUS CRISTO: Se fez homem, gerado pelo Espírito Santo nascido de forma virginal, morrendo na cruz pelos nossos pecados e ressuscitando ao terceiro dia, subindo aos céus de forma vitoriosa e está assentado a destra de Deus. (Ap 1:8; Ap 22:12-13; Co 15:1-8; Is 7:14; Rm 8:34; At 1:9)

ESPÍRITO SANTO: É o “paracletos” de Cristo, derramado sobre os cristãos, estando desde a criação, habita naqueles que o obedecem. Estava sobre Jesus em sua trajetória terrena e concede aos seus servos, ainda hoje, para edificação, exortação e consolo da Igreja, Dons Espirituais; é o nosso ajudador, consolador e intercessor junto a Cristo. A evidência de sua presença na vida do cristão são os frutos por este produzido. (Gn 1:2; Rm 8:26; Jl 2:28; Lc 11:13; Mc 16:17; At 2:4; At 5:32; Co 12:1-11,31; I Co 14:40; Mt 7:16-20)

DIABO: Cremos que Satanás já desfrutou das honras celestiais, mas, caiu e arrastou 1/3 dos anjos; é o grande tentador do homem, o inimigo de Deus, o acusador dos santos, porém está destinado, à derrota final nas mãos do Filho de Deus e a justiça eterna no inferno, lugar preparado para ele e seus anjos. (Is 14:12-15; Ez 28:14-17; Ap 12:9; Jd 6; II Pe 2:4; Ef 2:2; Jo 14:30; I Ts 3:5; Mt 4:1-3; Mt 25:41).

HOMEM: Foi criado à imagem e semelhança de Deus formado de corpo, alma e espírito, possuindo livre arbítrio e pela sua desobediência foi destituído da presença de Deus, passando a morrer física e espiritualmente. (I Ts 5:23; Rm 6:23; Rm 3:23).

IGREJA: É uma congregação local de pessoas regeneradas e batizadas mediante a fé em Jesus Cristo. Uma reunião universal dos remidos de todos os tempos, estabelecida por Jesus Cristo e sobre Ele edificada, constituindo-se no corpo espiritual do Senhor, do qual ele mesmo é a cabeça. Sua unidade é de natureza espiritual e se expressa pelo amor fraternal, pela harmonia e cooperação voluntária na realização dos propósitos comuns do reino de Deus. (Mt 18:17; At 5:11; 20:17,28; I Co 4:17; I Tm 3:5; III Jo 1:18; I Co 1:2,10; Mt 16:18; Cl 1:18; Hb 12:22-24; Ef 1:22,23; 3:8-11; 4:1-16; 5:22-32; Jo 10:16; Ap 21:2,3)

LIDERANÇA: Cremos, biblicamente no sacerdócio universal dos crentes, do livre exame da Bíblia e, portanto, do livre acesso a Deus, por meio de Jesus Cristo. Rejeitamos o sacerdotalismo, o sacramentalismo, o ritualismo e a pretensão humana de interpor-se entre o crente e Deus. Cremos que o Senhor provê homens para liderar/pastorear Suas igrejas, capacitando-os a pregar e ensinar a Palavra, sem mescla de erro, sem distorções, com fidelidade, dedicação, simplicidade e clareza. (II Tm 4.2-4, Ef 4.11; I Co 11:3).

SALVAÇÃO: É a libertação do jugo do pecado e da morte, e o re-estabelecer de uma relação profunda com Deus. É concedida pela graça e através da fé em Jesus Cristo, não é obtida nem por mérito pessoal nem por boas obras. Deus oferece a salvação, não só para a vida presente, mas também para a eternidade, a todos os que aceitem (até o fim de suas vidas) a Jesus Cristo como Senhor e Salvador. (Rm 6:18, 22-23; Ef 2:8-9; I Pe 1:4; Rm 8:21-23).

PECADO: Ao errar o alvo e desobedecer a Deus, o homem passou à sua geração o pecado original, necessitando da salvação, adquirida mediante a graça e pela fé no sacrifício de Jesus Cristo, o único caminho para religar o homem a Deus. (Rm 3:22-24,28; Ef 2:8-10; Hb 7:25;5:9; Jo 14:6).

BATISMO: Cremos no batismo nas águas por imersão, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, como necessidade absoluta da publicação do seu novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do reino dos céus. (Mt 28:19; Jo 3:3-8).

CEIA DO SENHOR: Como um memorial da morte, ressurreição e segunda vinda de Cristo, a qual deve ser ministrada a todos aqueles que fazem parte do Corpo de Cristo, através da aceitação de Jesus Cristo como Senhor e Salvador e da comunhão com a Igreja Local. Momento de reflexão, confissão e arrependimento particular de cada cristão. (I Co 11:23-30)

DÍZIMO: É a prática Bíblica de dar a Deus uma décima parte dos ganhos. O dízimo e as ofertas são ordenanças do antigo pacto, contudo, debaixo da nova aliança, são uma expressão voluntária de adoração e submissão. A Igreja usa os dízimos e as ofertas para cumprir a missão que lhe foi ordenada por Deus, ou seja, pregar o evangelho e apascentar o rebanho composto pelos crentes. Entregar o dízimo é uma amostra da adoração, fé e amor por Deus, o qual, é a Fonte de salvação e Doador de todas as coisas boas e de todo o dom perfeito. (Lv 27:30; Mt 23:23; Hb 7:4-14; 1 Cor 9:1-14)

VIDA CRISTÃ: Cremos na necessidade e na possibilidade que temos de viver uma vida Santa a partir da Obra expiatória e redentora de Jesus no Calvário, através do poder regenerador e Santificador do Espírito Santo, que nos capacita a viver como fiéis testemunhas do poder de cristo, mediante a separação do mundo. Aos mais fracos na fé, atenção especial, através da intercessão, exortação, e sobretudo ministração da Palavra de Deus, único instrumento capaz de curar o corpo, alma e o espírito do homem, mediante a confissão de pecados, arrependimento e da liberação do perdão a outrem. (II Co. 5:17, Tg 5:16; Hb 9:14; Gl 3:13-14; Jr 31:29-30; Ez 18:2; Rm 14:1-2; II Co 9:22; I Pe 1:15:16).

FAMÍLIA: A família, criada por Deus para o bem do homem, e a primeira instituição da sociedade. Sua base é o casamento monogâmico e duradouro, por toda a vida, só podendo ser desfeito pela morte ou pela infidelidade conjugal. O propósito imediato da família é glorificar a Deus e prover a satisfação das necessidades humanas de comunhão, educação, companheirismo, segurança, preservação da espécie e bem assim o perfeito ajustamento da pessoa humana em todas as suas dimensões. (Gn 1.27; 2.18-25; Js 24.15; 1Rs 2.1-3; MI2.15; Me 10.7-9; 13.16; Ef 5.22-33; 6.1-4; CI3.18-35; 1Tm 3.4-8; Hb 13.4; 1Pe 3.1-7)

ETERNIDADE: Cremos na vida eterna para os salvos e o tormento eterno após o juízo final para os que não creram em Deus. (João 11:25-26; Ap. 20:11-15).

USOS E COSTUMES: Cremos que o costume varia segundo o povo, a raça, língua, cultura e tempo, portanto, não deve ser confundido com doutrina bíblica imutável. Fazer da observância de um costume condição para ser salvo é tornar ineficiente a graça de Deus. Não guardamos os sábados, as festas e não fazemos abstinências de alimentos (exceto bebidas alcoólicas) (Cl 2:20-23; Rm 14:6-10, I Tm 9-10; Mc 2:27; Jo 5:18; Cl 2:16-18).

DONS: Cremos em todos os dons descritos nas Escrituras Sagradas e derramados pelo Espírito Santo sobre os Cristãos, desde o período da Igreja Primitiva até os dias de hoje. Devem ser procurados, com zelo e utilizados para edificação, exortação e consolo da Igreja. (1 Co 14:1-33).

Esta declaração tem apoio em textos expressos na Bíblia Sagrada, e tudo o que foi omitido remetemos para os princípios e preceitos claramente expressos nas Escrituras.